Sopa Sopa

A importância da sopa

O hábito alimentar de comer sopa está bastante enraizado nas culturas dos povos do sul da Europa desde o período Neolítico. Pensa-se que o início da técnica de cozedura de alimentos em água tenha tido início há cerca de cinco mil anos, aquando da invenção de recipientes à prova de calor, proporcionando vantagens perante a cozedura em ar quente por cima de fogueira comummente usada pelos nossos antepassados.

A densidade da água permite-lhe penetrar nos alimentos fácil e rapidamente, o que lhes confere consistência e possibilita temperaturas mais baixas do que a fritura, o assado e o grelhado. Além disso, a cozedura permitiu que se utilizassem partes dos alimentos outrora desperdiçados pela sua dureza, acidez e outras características que os tornavam incomestíveis. Ao mesmo tempo, cozinhar alimentos conjuntamente não só fez o paladar despertar para novos sabores (por exemplo, a libertação de amido pelos cereais) como também se criaram combinações de alimentos cujo paladar é sempre novo e único.
A palavra “sopa” tem a sua origem na palavra teutónica suppa, que se refere a um prato medieval (sop) de um estufado espesso que se colocava em fatias de pão.
Após a queda do Império Romano, a sopa sobreviveu ao Império Bizantino e também à sua queda para os Turcos Otomanos em 1454 que não limitavam o seu consumo e a elaboravam com abundantes legumes. Nesta altura, as sopas originárias da Ásia Central começaram a aparecer no repertório culinário da nobreza europeia, mas os menos abastados consumiam apenas os cereais que produziam cozidos e em malgas. O chamado caldo era servido à mesa geralmente em tigelas partilhadas por mais do que uma pessoa e sorvido directamente. Pensa-se que inicialmente serviria como molho e para manter a comida quente, sendo os sólidos comidos à parte ou por vezes cortados em pedaços pequenos e consumidos juntos.
Já na era moderna, um receituário dedicado exclusivamente às sopas e escrito em 1882 por Emma Ewing referia que aquelas eram «convenientes, económicas, saudáveis e de mais fácil digestão do que qualquer outro cozinhado» e que deveriam «ocupar um lugar de destaque na ciência da culinária».
Recentemente foi definida por especialistas da FAO e OMS a quantidade adequada de frutas e produtos hortícolas que um indivíduo adulto deve ingerir diariamente: 400g em forma de três peças de fruta, legumes cozidos ou saladas coloridas no prato da sopa; no entanto, o consumo desta refeição completa e fácil de preparar tem vindo a baixar, uma tendência que deve ser contrariada se pretendemos gozar de boa saúde. De facto, consumir uma sopa que integre não só hortaliças e água, mas também leguminosas, cereais e um pouco de azeite, regula o apetite, impedindo-o de se manifestar em demasia e de se desviar para alimentos menos salutares ricos em gorduras saturadas e açúcares de acção rápida que não saciam a fome por muito tempo nem de forma adequada. Com a oferta de verduras que existe hoje em dia e com a necessidade que o nosso organismo tem de diversidade, não nos devemos limitar a uma sopa que contenha apenas água, sal, azeite, batata e couve; qualquer legume e leguminosa pode (e deve) entrar na composição de uma sopa completa, como por exemplo, as lentilhas, as ervilhas, o feijão azuki, a beterraba, o nabo, a curgete, a beringela, os bróculos, a couve-flor e mesmo miso.
Para que te possas inspirar antes de criar algumas da tua autoria, consulta a nossa secção de receitas.
A propósito do projecto de educação alimentar «Sopalândia» que pretende fomentar a adopção de comportamentos e hábitos alimentares saudáveis, sensibilizar as crianças e jovens para a importância da sopa na alimentação quotidiana, promover a recuperação da sopa nos hábitos alimentares das famílias, promover um aumento do consumo de produtos hortícolas por parte das crianças e jovens, aumentar o consumo de sopa integrando-a pelo menos em duas refeições diárias e promover a sopa como entrada da refeição, o nutricionista dr. Miguel Ângelo Rego afirma que «a sopa é o elixir ao longo da juventude» e aponta «… [a] prevenção de doenças cardiovasculares, de vários tipos de cancro e do excesso de peso (...)» como três dos principais problemas de saúde que o consumo diário de sopa ajuda a evitar.
Na verdade, segundo um estudo a adultos portugueses pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FNAUP), a sopa diminui risco de obesidade: após avaliação de 40 mil indivíduos, concluiu‑se que a sopa de legumes reduz o risco da doença em 11% nos homens e em 14% nas mulheres. Também pesquisas de J. Raloof publicadas na Science News de 24 de Abril de 1999 apontam o consumo de sopas saudáveis como meio de diminuir o apetite e estimular a perda de peso.
Para que todas as vitaminas e minerais dos legumes sejam eficazmente aproveitados pelo nosso organismo, é aconselhável que os consumamos crus ou na sopa. Além de saborosa e reconfortante, esta última tem a grande vantagem de acumular os nutrientes das verduras (quase todos hidrossolúveis) na sua própria água de cozedura, sendo rica em água, fibras, vitaminas (especialmente C e ácido fólico) e minerais. Uma solução prática para a ter sempre à mão e com todas as vitaminas é fazê-la em grande quantidade numa panela de pressão e, depois de fria, congelá-la em porções suficientes para toda a semana, por exemplo. Em vez de se deitar fora aquela água em que se cozeu os legumes, batatas ou massa, enriquece a sopa com ela, ao mesmo tempo que poupas recursos.
A sopa pode também representar uma excelente solução para qualquer pessoa vegetariana ou vegana em qualquer restaurante convencional ou noutras situações sociais. No entanto, convém certificarmo-nos de que a sopa não foi confeccionada com produtos de origem animal como por exemplo, carnes várias (como o consommé e o bouillon), caldos de carne de vaca, de galinha, de peixe, enchidos (caldo verde), marisco ou natas (bisques), ovos ou manteiga (veloutés).



Curiosidade: em certos contextos, a expressão chinesa tiao-geng (temperar a sopa) pode significar “ser ministro de Estado”.

"Enquanto houver arroz, deve haver sopa. A relação entre a sopa e o arroz é como a relação entre a água e o barco: quando um barco fica encalhado num banco de areia só a água o pode levar novamente para o rio; o arroz navega melhor com sopa. Eu diria mesmo que seria melhor passar sem todos os pratos principais do que passar sem a sopa."
(Li Yü, poeta e ensaísta da dinastia Ch`ing)


Referências:
Jornal de Notícias de 24 de Janeiro de 2006
http://www.arsalgarve.min-saude.pt
http://www.foodtimeline.org
http://www.soupsong.com



Copyright Centro Vegetariano. Reprodução permitida desde que indicando o endereço: http://www.centrovegetariano.org/Article-388-A-import-ncia-da-sopa.html

Inserido em: 2006.04.22 Última actualização: 2009.12.07

Comentar printer     E-mail   Facebook F

Alimentação > Alimentos
Alimentação > Alimentação Vegana > Despensa Vegana
Pessoas > Artigos por Autor > Ana Soares