Entrevista a Márcia Almeida sobre crudivorismo

Márcia Almeida é crudívora desde 2007 e mantém o blog http://www.leitedaterra.blogspot.com, no qual disponibiliza informação sobre o crudivorismo, bem como inúmeras receitas. Márcia tem também promovido, um pouco por todo o país, workshops de culinária crudívora de forma a divulgar este tipo de alimentação.
O Centro Vegetariano foi ao seu encontro, para saber mais sobre a sua escolha.

 

1. Como e quando descobriu o crudivorismo?

Durante 10 anos dei consultas de Naturopatia e muitas vezes indiquei mezinhas caseiras aos meus pacientes, que se seguidas à risca funcionavam maravilhosamente, como por exemplo a beringela crua para baixar o colesterol, ou a vagem de feijão-verde para baixar a diabetes. Tinha um livro brasileiro que descrevia como fazer e usar os sumos de frutas, legumes e vegetais para tratamento de diversas enfermidades. Usei essas receitas até à exaustão.

Mas o crudivorismo, como filosofia de vida, descobri faz muito pouco tempo e por mero acaso. Recebi de um amigo também do Brasil, em Março de 2007, um email sobre o Sumo da Luz do Sol, achei muito interessante e comecei a investigar; quanto mais eu investigava, mais apaixonada pela filosofia eu ficava. No Brasil a “moda” pegou não só pelo apelo a uma melhor qualidade de vida, mas ainda pelo facto de estar acessível a qualquer bolsa.


2. Porque optou pela alimentação crua?

Ninguém muda os hábitos alimentares de ânimo leve. Acredito que existam só três grandes razões para mudarmos os nossos hábitos alimentares,: (1) por uma consciência ética, (2) pela nossa saúde ou de alguém que amamos muito ou (3) ainda por paixão.

Passo a explicar, se não pensarmos de onde vem o guisado de coelho que está no prato está tudo bem, se tivermos andado com o coelhinho ao colo durante a manhã toda e ao jantar ele estiver no prato, é muito violento.

Se alguém nos disser directamente que aqueles que amamos terão uma maior qualidade de vida ou uma maior esperança de vida ao deixar de comer isso ou aquilo, nós mudamos.

Se a pessoa por quem você esta completamente apaixonado diz que é vegetariana, no mesmo instante passas a ser vegetariano também.

Optei por uma modificação alimentar por causa da minha saúde. Ao ver os resultados, quis ir mais longe e ver o que aconteceria se passasse para uma alimentação saudável, com mais crus, mas sem fundamentalismo e sem culpas, se o meu corpo pede uma prato quente eu como.


3. Quais são as principais características desta alimentação?

É uma alimentação viva, nada é cozido, frito ou assado, não devemos aquecer os alimentos a mais de 40º ou 45ºC. Tudo o que comemos deve encaixar-se nas seguintes características: ser cru, estar vivo, estar maduro e ser fresco. Quanto mais natural melhor, nada de químicos, conservantes estabilizantes ou edulcorantes. Uma alimentação será saudável, se for equilibrada, variada e colorida. A filosofia base é muito mais severa, não admite frigorífico, nem que os alimentos não saiam da horta directamente para a mesa, mas eu sou da opinião que estamos no séc. XXI, não podemos nunca esquecer isso, temos de ser racionais e equilibrados. Além disso os pratos devem ser bonitos, ter estilo, serem bem confeccionados.


4. Sentiu algumas alterações quando adoptou este regime alimentar?

Estava doente, tinha a tensão arterial muito alta e uma retenção incrível de líquidos. Logo que comecei a tomar o Sumo da Luz do Sol, fiquei impressionada com a rapidez da minha melhora. Em dias, a tensão baixou, eu desinchei e senti-me revigorada, com energia, deixei de ser tão implicante, diria mesmo menos rabugenta. Tudo isso, só substituindo o pequeno-almoço pelo Sumo da Luz do Sol, um sumo de clorofila super simples de fazer.


5. Na sua opinião, quais as vantagens nutricionais do crudivorismo em relação às outras dietas?

Podemos fazer uma má alimentação de qualquer tipo, seja ela carnívora, vegetariana, crudívora ou macrobiótica. No crudívoro, as vantagens são inúmeras, por exemplo: os grãos e sementes quando germinados tornam-se alcalinos. As células transformam-se em micronutrientes. Numa alimentação crudívora bem equilibrada aproveitamos ao máximo as enzimas, os aminoácidos, todas as vitaminas do grupo B e as vitaminas A, C, E e K, Z, o zinco, o cálcio, o magnésio, o fósforo, o potássio, o selénio e bioflavonóides, isso só para citar alguns entre tantos.

Já gravamos geneticamente para as gerações futuras alguns erros, não será fácil esquecê-los, as doenças modernas são talvez reflexos desses erros. Devemos optar pelo mais saudável, pelo mais natural e com isso remediar ao máximo as nossas carências. A verdade é que um molho de espinafres hoje não tem, nem de perto nem de longe, o mesmo valor nutricional que um molho de espinafres tinha nos anos 60. Por isso, devemos optar por alimentos orgânicos e pelos menos industrializados possíveis. Nossa qualidade de vida melhorará imediatamente.


6. Em Portugal, é fácil seguir uma alimentação crua? Como faz quando tem de comer fora?

Não, não é fácil, acredito que hoje, ser crudívoro a 100%, seja tão difícil como para quem começou o vegetarianismo há 20 ou 30 anos. Só há um restaurante em Lisboa onde há sumo da Luz do Sol, é no Gulodice, na Estrada da Luz ou então no Campo Pequeno, não há restaurantes crudívoros nem mesmo mistos, com comida vegetariana e crudívora.

Nossas recordações de prazer, estão muito intimamente ligadas à mesa, ao paladar, se sentarmos com velhos amigos, vamos falar daquele café onde havia um croissant divino, ou daquelas gomas azuis com sabor a menta que não nos saem da memória, a verdade é que recordamos momentos e/ou companhias com uma dose grande de felicidade, e para termos a certeza que não vamos esquecê-los, juntamos algum sabor. Esses momentos não podem nem devem ser esquecidos ou menosprezados, são os nossos alicerces emocionais, e o facto de ser difícil ou mesmo impossível comer comida crudívora em restaurantes, podemos optar por fazer reuniões caseiras, conviver mais, trocar ideias sobre pratos e paladares. Se for de todo impossível, não há em Portugal lugar algum onde não possamos comer uma rica salada de verdes. Mas também não há culpa, se apetecer um prato não crudívoro, porque não? Errámos tantos anos, não será em uma refeição que iremos falhar mortalmente.


7. A alimentação crua é saborosa e fácil de preparar?

O sabor da comida crua é diferente. Sem dúvida que em alguns casos teremos de reeducar o nosso paladar, mas isso não é mal. Quem come alguma coisa pela primeira vez, tem variadíssimas reacções, e só ao fim de algum tempo é que define se gosta ou não. Eu acho muito saborosa.

Eu adoro cozinhar, quando não sei invento, tenho dezenas de livros de receitas com anotações e dicas. O crudivorismo é como tudo, sabendo fazer uma meia dúzia de pratos, depois vamos inovando, inventando e acabamos por criar os nossos próprios pratos, nosso próprio estilo. Quando não sei fazer um prato, prefiro ver fazer do que ter a receita escrita ao detalhe, pois desconhecendo por completo qual é o aspecto final acho muito mais difícil. O crudivorismo é tão simples, que a receita para uma óptima mousse de manga é super simples: Uma manga em fatias, uma banana descascada e 2 ou 3 tâmaras sem caroço, bata tudo no processador e sirva, não podemos esquecer e decorar o prato com folhas de hortelã e algumas sementes de sésamo. Se estiver muito calor deixe as frutas algumas horas no frigorífico. Veja, é fácil e barato e rende muito.

Os nossos workshops têm sido realmente um encontro de amigos, vamos trocando ideias, vamos trocando experiências. Tenho andado pelo país todo ensinando os pratos básicos do crudivorismo, mas sem dúvida aprendendo muito também. Em cada grupo tenho feito amigos, não só conhecidos, pessoas lindas, com vontade de aprender e sem medo de errar. Actualmente existem dois níveis, o primeiro para principiantes e o segundo onde podemos aperfeiçoar um pouco mais os nossos conhecimentos. Cada um poderia demorar umas 3 horas, não seria preciso mais para confeccionar uma refeição completa, porém quem consegue falar somente o que está planeado?, há sempre alguém com uma nova ideia. Por isso cada módulo dura no mínimo 5 horas: fazemos os pratos, experimentamos e passamos bons momentos juntos. Além disso já tenho feito algum trabalho para ocasiões especiais, tipo catering, nunca imaginei fazer isso, mas além de ser uma experiência gratificante, os elogios fazem subir qualquer ego.


8. O que aconselha a quem gostaria de tornar-se crudívoro?

Experimente, dê uma oportunidade ao seu corpo. Não seja muito exigente consigo mesmo, se cair em tentação, releve, comece novamente, o importante é cuidar da sua alimentação, comer muitos legumes, muitos vegetais e muitas frutas.

Não sejam desmedidamente severos, comecem pelo sumo da luz do sol, mesmo achando que o sumo é verde, que leva pepino, e espinafre, prove um pouco hoje, mais um pouco amanhã e comece a sentir os sinais, o intestino vai funcionar muito mais facilmente, a retenção de líquidos vai diminuir, no final de aproximadamente 10 dias bebendo o sumo, você estará mais bem-disposto, menos inchado, com menos peso. Depois é só continuar.

Aprenda a fazer alguns pratos crus, no blog do Leite da Terra (www.leitedaterra.blogspot.com) temos muitas receitas e algumas dicas. Surpreenda todos com pratos saborosos, coloridos e bonitos. Garanto que não vai ficar arrependido.



Copyright Centro Vegetariano. Reprodução permitida desde que indicando o endereço: http://www.centrovegetariano.org/Article-514-Entrevista-a-M-rcia-Almeida-sobre-crudivorismo.html

Inserido em: 2009.03.27 Última actualização: 2009.03.27

Comentar printer     E-mail   Facebook F

Alimentação > Alimentação Crudívora
Pessoas > Artigos por Autor > Cristina Rodrigues
Pessoas > Entrevistas



Comentários



Na alimentação encontramos a saúde.

Ao ler, verifiquei que como muita comida industrializada, vou comer muitas vezes em restaurantes e como muito pouco alimentos verdes e quase nenhum alimento cru.
Obrigado pelo alerta

(Por: )

[Por: @ 2009.03.30 - 11:02 | Responder | Imprimir ]


Rebentos e Relva de Trigo

Olá Cristina, olá Márcia.

Tomei conhecimento da alimentação crudivura desde que comprei o desidratador de alimentos. Agora que adquiri o germinador automático testei a relva de trigo e todos os outros rebentos e cada vez acho mais interessante o crudivorismo, mas ainda não adoptei em exclusivo :-)

Obrigada pela entrevista. O centro vegetariano é um espetáculo!

Tenho publicado as minhas experiências de germinação, com fotos no meu blog: http://publicarparapartilhar.blogspot.com/

Gostava de receber a vossa visita. Irei visitar o leite da terra de seguida. Beijinhos e Obrigada.
(Por: Rute)

[Por: @ 2009.03.29 - 09:42 | Responder | Imprimir ]