Um futuro sustentável depende das nossas escolhas alimentares

A actividade pecuária orientada para uma dieta baseada na carne está a destruir o nosso planeta ameaçando a nossa civilização e sua prosperidade.
Desistir ou cortar no consumo de carne é a coisa mais importante que um indivíduo pode fazer para proteger o ambiente e as futuras gerações de um desastre. Essa é a razão pela qual a Semana Vegetariana deste ano vai focar-se principalmente nas razões ecológicas para se ser vegetariano ou vegano.
Este artigo considera por isso que uma grande mudança social à base de uma dieta vegetal (vegetariana ou vegana) é essencial para evitar crises climáticas, ambientais, alimentares, energéticas e uma crise de água.


Alterações climáticas

Há indícios crescentes de que o mundo aproxima-se rapidamente de uma catástrofe climática sem precedentes. O ano de 2010 vinculou 2005 como o ano mais quente já registado na história e foi também o mais chuvoso. A década anterior foi amais quente já registada. Glaciares e calotes polares estão a derreter muito mais rapidamente do que as previsões mais pessimistas dos cientistas que estudam o nosso clima.

Em Janeiro de 2011, a Austrália teve o pior ciclone na sua história e tem havido recentes inundações de proporções quase bíblicas em muitos países, incluindoChina, Brasil e Paquistão. Muitos países, incluindo a China e Israel estão a enfrentargraves secas de longa duração, e isso levou alguns climatologistas a chamar esteséculo, "o século da seca." Enquanto muitas pessoas negam as alterações climáticas, há um consenso científico muito forte de que a mudança climática está a acontecer, o que representa uma grande ameaça para a humanidade em que as actividades humanas são a causa primária, como indicam muitos artigos em respeitadas revistas científicas e declarações de cientistas de todo o mundo.

Embora nem todas as alterações nos padrões climáticos possam ser atribuídas ao aquecimento global, a maioria está de acordo com projecções para um mundo mais quente. Uma vez que estes eventos ocorreram durante um aumento da temperaturamédia de um pouco mais de 0.5º C nos últimos 100 anos, é muito preocupante que os cientistas das alterações climáticas, incluindo aqueles com o prémio Nobel do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), estão a projectar um aumentode 1º para 6ºC nos próximos 100 anos, se continuarmos com a actual tendência emissão de gases com efeito estufa (GEE). Se este aumento for superior a 2ºC - umamudança está cada vez mais provável visto que os níveis de GEE na atmosferacontinuam a aumentar - há um consenso de preocupação entre os cientistas, biólogos e cientistas sociais que isso teria efeitos devastadores sobre a humanidade e no saldo actual de vida no planeta, em termos de secas severas, tempestades, inundações,incêndios, entre outros efeitos negativos.

Muitos especialistas, incluindo James Hansen, director da Instituto Goddard Estudos Espaciais, acreditaque um limiar seguro para o dióxido de carbono na atmosfera é de 350 partes pormilhão (ppm). Nós já estamos em 390 ppm e em crescimento, pelo menos, 2 ppm porano, outra indicação de que grandes mudanças são necessárias em breve. NASA (Administração Espacial e Aeronáutica Nacional) para

O que Hansen e outros cientistas do clima se preocupam especialmente, é que a mudança climática poderá em breve chegar a um ponto de inflexão, desencadeandoum ciclo vicioso de rápidas mudanças climáticas levando a consequências desastrosas– derretimento das capas de gelo do mar, cidades inundadas, extinções em massa de espécies, extensão de desertos, entre outros eventos - a menos que mudançasimportantes na forma como a humanidade utiliza energia ocorram em breve.

 

Como uma mudança para uma dieta vegana pode reduzir esta ameaça

Pode parecer ingénuo argumentar que uma simples mudança de dieta pode ser umareceita poderosa para combater as alterações climáticas, mas as evidências sãoincontestáveis, e aos poucos, o público está a receber a mensagem.

Grande parte das discussões sobre o aquecimento global por parte dos governos, grupos ambientais e indivíduos ao longo dos últimos 20 anos, concentrou-se naimplementação de mudanças no uso de energia e deu pouca atenção ao impacto da nossa alimentação. Essa tendência mudou um pouco após a publicação de um relatório em 2006, pela Organização das Nações Unidas na Alimentação e Agricultura (FAO), estimando que a produção de gado no mundo é responsável por mais emissões degases com efeito estufa (GEEs, em equivalentes de CO2) do que as emissões de todosos carros do mundo, aviões, navios e todos os outros meios de transporte juntos.

O relatório da FAO, “Livestock's Long Shadow”, também projectou que o actual consumo mundial de quase 60 mil milhões de animais por ano, irá duplicar em meados do século se o crescimento da população humana e suas tendênciasalimentares continuarem. Este aumento resultante de gases com efeitos estufa iria anular largamente as reduções de GEE na conservação e eficiência no transporte, electricidade e outros sectores, tornando extremamente difícil, senão impossível, chegar a reduções de GEE que os especialistas em clima acreditam ser essenciais paraevitar uma catástrofe climática. Enquanto que essa duplicação poderá não ocorrer, é preocupante que face ao forte papel da criação de gado no aquecimento do planeta, muitos países estejam a incentivar um maior consumo de produtos de origem animal.

Recentemente, uma análise em profundidade, "Livestock and Climate Change", pelos especialistas em meio ambiente, Robert Goodland e Anhang Jeff do Grupo Banco Mundial, foi publicada na edição de Novembro/Dezembro 2009 da revista "World Watch". Os autores argumentam que há fontes de GEE do sector da pecuária,que foram negligenciados, sub-representados ou colocados em sectores errados no relatório da FAO, e concluiu que o sector da pecuária é responsável por pelo menos51% de todos os GEE induzidos pelo homem.

Goodland e Anhang pedem a substituição de produtos de origem animal por alternativas à base de plantas, baseados no raciocínio de que isso resultaria emreduções rápidas de GEE na atmosfera, além de inverter mundialmente as crises alimentares e de água.
Os principais especialistas do clima têm focado cada vez mais o papel da alimentação no aquecimento global, indicando que não há nenhuma acção ambiental mais poderosa que qualquer indivíduo pode tomar do que a adopção de uma alimentação à base de vegetais.

 

Crises ambientais

O crescimento de 60 mil milhões de animais por ano para alimentação está a criar diversas ameaças ambientais entre as quais se incluem a desflorestação, a desertificação, a acelerada extinção de espécies, a poluição do ar e da água, entre muitas outras.


Como uma alteração para uma alimentação vegana pode reduzir estas ameaças

Os métodos da agricultura moderna utilizados na produção de carne são a causa primária de crises ambientais com as quais os Estados Unidos e muito do restante mundo se deparam hoje em dia. Alguns dos exemplos incluem:

  1. Mais de 85% da erosão do solo é causada pela produção de alimento para a pecuária.

  2. A pecuária é dos factores primários para a desertificação: superprodução de pecuária, sobrecultivo de terra, técnicas impróprias de irrigação, desflorestação e impedimento da reflorestação.

  3. Os dejectos produzidos pela pecuária poluem cursos de água subterrânea, e rios.

  4. Os grãos utilizados para alimentar os animais requerem a utilização de muitos químicos para fertilizar a terra e pesticidas, provocando poluição no ar e na água. Em particular, o azoto que está nos fertilizantes e que contamina a água potável, causa doenças em pessoas e animais.

  5. A procura de carne em países ricos leva a problemas ambientais nos países pobres. De forma a transformar a carne em hambúrgueres para exportação para os Estados Unidos, a floresta tropical está a ser dizimada ao ritmo de um campo de futebol por segundo. Cada 100g de hambúrguer, requer a destruição de 5m2 de terra para pastoreio.


Escassez alimentar

Parece que se está perante uma grande escassez alimentar com o potencial de se tornar ainda pior. Os preços do trigo atingiram preços recorde recentemente e, uma das razões para a tremenda onda de calor na Rússia – as temperaturas em Julho de 2010 atingiram uma média de 8ºC acima da média – causando a perda de cerca de 40% da safra de trigo russa. A seca severa que actualmente atinge a China, é a pior dos últimos 60 anos, ameaçando a colheita de trigo e, uma vez que a China acolhe 20% da população mundial, tal poderá causar um pico no preço dos grãos. Actualmente já cerca de mil milhões de pessoas sofrem de fome crónica e estima-se que cerca 20 milhões de pessoas morram de fome anualmente devido à fome e aos seus efeitos.

Infelizmente, satisfazer as necessidades alimentares da população mundial irá ser cada vez mais difícil. É esperado que a procura venha a aumentar devido ao aumento populacional movimento na cadeia alimentar em que as pessoas se alimentam com mais produtos animais o que requer o consumo de grão para a sua produção e o aumento do uso do milho para o etanol. A acrescentar a isto, é provável que a produção de grão sofra um declínio, devido aos efeitos das alterações climáticas – secas, inundações, ondas de calor, derretimento de glaciares, aquíferos mais pequenos e a conversão de terra arável para outros usos. A contaminação da comida pela radiação das centrais nucleares japonesas provocado pelo recente terramoto e tsunami tornam a situação ainda mais desastrosa.


Como uma alteração para uma alimentação vegana pode reduzir estas ameaças

A mudança para uma alimentação vegetariana pode reduzir largamente a fome mundial tendo em conta as seguintes estatísticas:

1. São necessários cerca de 4kg de grãos para produzir 0.5kg de carne para consumo humano.

2. Enquanto que o asiático médio consome entre 150 a 200 kg de grãos, o americano de classe média consome mais de 1000kg, dos quais 80% vêm em forma de carne.

3. Mais de 70% do grão produzido nos Estados Unidos e mais de um terço da produção anual de grão é destinado a animais para consumo humano.

4. Enquanto um hectare de batatas pode alimentar 22 pessoas, um hectare de arroz 19, a mesma área, para produzir carne, alimenta apenas uma pessoa.

5. Tornando a situação ainda mais escandalosa, alimentar o gado com grão, desperdiça 90% da proteína, 99% de hidratos de carbono e 100% da fibra do grão dando origem a um produto rico em colesterol e gordura saturada.

 

Escassez de energia

Há ainda muitos problemas relacionados com a capacidade de produzir energia suficiente para satisfazer as necessidades futuras. Muitos especialistas acreditam que em breve será atingido o pico do petróleo, ou seja quando se começar a assistir a um declínio na sua produção. Os recentes desastres nucleares no Japão causados pelo terramoto e consequente tsunami vieram mostrar os perigos da dependência no nuclear se bem que as centrais termoeléctricas são também uma fonte primária de gases de efeito de estufa. Sendo assim, é essencial que em breve haja um aumento na produção de fontes de energia renovável bem como maiores esforços na redução da procura de energia.


Como uma alteração para uma alimentação vegana pode reduzir esta ameaça

As dietas baseadas na carne desperdiçam muita energia. Nos Estados Unidos, são necessárias em média 10 calorias de energia cada caloria de comida produzida e, em muitos outros países é possível obter 20 ou mais calorias de comida com apenas uma caloria de energia. Para produzir 500g de bife (500 calorias de energia) são necessárias 20.000 calorias de combustíveis fósseis, a maioria dos quais é utilizado na produção de alimento para a pecuária. São necessárias 78 calorias de combustíveis fósseis para cada caloria de proteína obtida através da pecuária mas apenas 2 para uma caloria de proteína através do feijão de soja. Os grãos e feijões requerem apenas 2 a 5% do combustível fóssil que um bife requer. A energia necessária para produzir 500g de carne é equivalente a 4 litros de gasolina.


Escassez de água

O mundo já está a passar por crescentes privações de água pois tal como mencionado anteriormente, as alterações climáticas estão a causar secas severas em diferentes partes do globo. Ao tentar produzir a comida adequada à população mundial através da irrigação, a mesma está a diminuir o curso dos aquíferos em muitos países os quais poderão secar muito em breve. A acrescentar a isto, os glaciares que proporcionavam a água aos rios na Primavera estão a desaparecer muito rapidamente. Actualmente cerca de 1/6 da população não tem acesso a água potável e espera-se que a procura mundial duplique nos próximos 20 anos.

 

Como uma alteração para uma alimentação vegana pode reduzir esta ameaça

A dieta padrão centrada na carne nos Estados Unidos requer 168 000L de água por dia (para irrigação, para os animais beberem, para o processamento da carne, etc). Uma pessoa com uma alimentação vegana requer 1.200L por dia

A pecuária é o maior consumidor de água nos Estados Unidos de acordo com Norman Myers, autor do Gaia: An Atlas of Planet Management. A irrigação utilizada sobretudo para produzir alimentos para os animais requer cerca de 80% da água dos Estados Unidos e cerca de 90% da água potável consumida nos Estados Unidos vai para agricultura de acordo, com David Pimentel especialista em agricultura. A produção de 500g de carne numa área semi-árida como a Califórnia requer 208.000L de água, contrastando com 100L para produzir 500g de tomate, alface, batata ou trigo. A revista Newsweek em 1988 relata que “a água utilizada na produção de 500kg de novilho daria para fazer flutuar um navio”.


Segurança relacionada com as crises acima descritas

Muitos líderes militares e especialistas em segurança estão preocupados com as implicações na segurança nacional derivadas das implicações das alterações climáticas e outras ameaças acima descritas. Em 2007, onze generais americanos reformados publicaram um relatório indicando que milhões de pessoas com fome, sede e refugiados desesperados, de secas, inundações, ondas de calor, tempestades, fogos selvagens e outros efeitos das alterações climáticas vão provocar maior instabilidade, violência e terrorismo. Os estrategas de inteligência e militares em muitos países estão a rever os seus planos de forma a considerar as alterações climáticas.

 

 

Conclusão

Quando se consideram todos estes factores ambientais negativos e os efeitos das alterações climáticas e se acrescentam os efeitos nefastos da alimentação baseada na carne, torna-se claro que a pecuária coloca sérias ameaças à sobrevivência global. Uma grande mudança em direcção ao veganismo é então imperativa de forma a colocar o nosso planeta num caminho sustentável.

 

Artigo escrito para a Semana Vegetariana Internacional 2011 por Richard H Scwartz

 

Referências:
http://www.semanavegetariana.com
http://www.vegetarianweek.org

 



Copyright Centro Vegetariano. Reprodução permitida desde que indicando o endereço: http://www.centrovegetariano.org/Article-576-Um-futuro-sustent-vel-depende-das-nossas-escolhas-alimentares.html

Inserido em: 2011.06.11 Última actualização: 2011.06.11

Comentar printer     E-mail   Facebook F

Pessoas > Artigos por Autor > Richard H. Schwartz
Aos iniciados... > Razões para ser vegetariano
Alimentação > Alimentação Vegetariana