Tributo a John Lennon

No passado dia 8 de Dezembro do ano transacto comemoraram-se os 23 anos sobre a morte de John Lennon, compositor que morreu barbaramente assassinado em frente ao edifício onde vivia.John Lennon foi, com efeito, uma das mais conhecidas personalidades do meio artístico a lutar activamente pela paz mundial e pelos direitos humanos, numa época em que a turbulência da guerra do Vietname causava tantos danos no cerne do povo americano (e também do mundo), tanto a nível físico como moral. John Lennon tornou-se adepto de um regime alimentar de tipo macrobiótico, devido a influências exóticas da alimentação japonesa, como o sushi! Mas, principalmente, por questões de saúde, que se tornaram primordiais. Ao contrário do que possa parecer, Lennon revelou-se, apesar de todos os escândalos, um marido e um pai extremoso. Tornou-se um nome celebrizado pela sua participação e formação dos The Beatles, embora a sua luta pelo pacifismo se revelasse tardia em relação ao seu desempenho como vocalista e compositor de alguns sucessos do grupo. De facto, só mais tarde, em 1969 (data do seu casamento com Yoko), é que Lennon assumiria outra postura (para lá da sua relação com os The Beatles), participando como activista em várias campanhas pacifistas. Não obstante, o público continuava a vê-lo como um “beatle”. E era assim, também, que os amigos o viam, incluindo Paul McCartney. Ora, a partir da sua união com Ono, os manifestos pacifistas em que Lennon participava começavam a pôr o grupo em causa. E as culpas pareciam todas recair sobre Yoko Ono, a mulher que, supostamente, viria a separar Lennon da banda britânica mais famosa do mundo.

John Winston Lennon nasceu a 9 de Outubro de 1940 e terá desenvolvido ao longo da sua educação uma personalidade extremamente rebelde, uma vez que foi educado exclusivamente por sua mãe, Julia Lennon, durante os seus primeiros cinco anos de vida. O seu pai preferiu voluntariar-se para os combates da IIª Guerra Mundial, em vez de ficar ao lado da família. Após o Armistício, Fred Lennon voltou a casa somente para tirar John da tutela materna. Mas sua mãe não o permitiu e, embora não tivesse recursos próprios para o educar, mandou-o para casa de uns tios maternos. John mudara-se então para o subúrbio de Woolton, perto de Liverpool, onde Julia habitava.

John Lennon com guitarraO percurso académico de John não foi muito promissor, mas sabe-se que, em todas as escolas que andou, formou pequenas bandas com os amigos, onde ele fazia questão de ser sempre o líder. Andou na Escola Primária de Dovedale Road e mais tarde passou para o liceu Quarry Bank High School. Mas continuava a ser preguiçoso para os estudos. Sempre rebelde, exprimia a sua revolta através de desenhos. Esse dote artistíco valeu-lhe uma entrada para a Faculdade de Artes de Liverpool, já em 1956. Dois anos mais tarde, porém, John assistiria ao trágico acidente de automóvel que levaria sua mãe para o descanso eterno. Ele sofreria horrores com esta perda, ao longo de toda a sua vida.

O interesse de Lennon pela música começa a surgir ainda no liceu, a partir do momento em que ouve na rádio sucessos de Elvis Presley, como Heartbreak Hotel, ou de Bill Halley, como Rock Around the Clock, que integravam a banda sonora de um filme. Esse filme terá influenciado muito a personalidade do adolescente Lennon, que então teria apenas 15 anos: Rebelde sem Causa, com James Dean no principal papel.



O primeiro grupo formado por John foi o The Black Jacks Skiffle Group, mas a sua existência duraria pouco mais de uma semana, uma vez que já existia um grupo com esse nome. O tipo de repertório tocado pelo grupo era o género skiffle, que se tratava de um movimento musical típico daquela época, tocado por vários grupos das escolas britânicas e mesmo por miúdos pobres e habitantes de subúrbios, como era, na altura, John Lennon. Originalmente concebido por Lonnie Donegan com o tema Rock Island Line, clássico de Leadbelly, o skiffle misturava música country e western americana com o folk inglês. O movimento era composto de acordes muito simples e tocados normalmente com um banjo ou violão. O skiffle espalhar-se-ia por toda a Inglaterra e daria, mais tarde, origem ao rock britânico.

John Lennon tocando bateriaFoi quando começou a frequentar a Quarry Bank High School que John teve a ideia de adoptar o nome do liceu para a banda, sob o pretexto de ganharem mais credibilidade. A partir de Março de 1957 formaria então, oficialmente, os The Quarry Men. Esta banda duraria até 1959, mas com inúmeras alterações e substituições de elementos. O tipo de reportórios vai variando conforme as actuações: músicas como Heartbreak Hotel, Don’t Be Cruel, Blue Suede Shoes ou Jailhouse Rock, de Elvis Presley, vão sendo progressivamente incluídas. No dia 6 de Julho de 1957, The Quarrymen actuam no St. Peter’s Woolton Garden Fete e John aproveita para estrear umas calças muito justas e põe bastante gomalina no cabelo. Num concerto em que na plateia se encontra uma pessoa que também viria a tornar-se outro “Beatle” - Paul McCartney -, John Lennon impressiona o público ao cantar Be Bop-A-Lula, de Bill Halley, ao maior estilo de um grupo muito famoso entre a juventude, na altura, com influências bastante roqueiras: os Teddy Boys.



Assim que John e Paul se conhecem ganham admiração mútua um pelo outro. John Lennon formalizaria um convite oficial a Paul McCartney para se juntar aos The Quarrymen passadas duas semanas, convite esse que McCartney só aceitaria passados dois meses. Paul McCartney estrear-se-ia oficialmente com os The Quarrymen no dia 18 de Outubro de 1957, cuja actuação se realizou no Conservative Club do New Clubmoor Hall em Norris Green. O reportório incluía músicas como All Shook Up, Blue Moon of Kentucky, That`s All Right, Mama, Mean Woman Blues e também Be Bop A-Lula. Quase tudo grandes sucessos do americano Elvis Presley. Como diria uma vez John Lennon, ao fazer uma retrospectiva da sua carreira: “Nada me bateu tão forte como Elvis”.

Anos mais tarde, Paul McCartney acaba por trazer um antigo colega para assistir a um ensaio, que andara consigo na primária, cujo nome é George Harrison. George acaba por se integrar no grupo, após uma audição em Fevereiro de 1958. Depois de tantas actuações em que os temas skiffle se contam pelos dedos, a banda abandona oficialmente o movimento e adopta apenas o reportório oficial de rock/pop! The Quarrymen têm, contudo, uma paragem inesperada a partir de 15 de Julho de 1958, quando Julia Lennon, mãe de John, é atropelada por um carro no meio da rua.

John passa por uma fase de grande isolamento, tornando-se distante, frio e agressivo. As suas mágoas afoga-as no álcool e na droga, que o tornam rude e mal-educado. Só Paul consegue contactar intimamente com Lennon, durante esta fase para ele tão dolorosa. Isto porque Paul também é órfão de mãe, embora nunca tivesse sentido a rejeição dos pais como Lennon a teria provavelmente sentido. Durante esta fase depressiva, Lennon, porém, consegue compôr, pouco tempo depois, uma música à qual intitula “Hello, Little Girl”. Entre 1958 e 1959, John e Paul fazem um acordo entre ambos em como qualquer composição que façam saia com a assinatura da dupla Lennon/McCartney, à qual Lennon dá o seu aval. Assim, os dois em conjunto compõem músicas que só se tornariam mais tarde conhecidas. Sucessos como Get Back, Yellow Submarine e Let it Be são compostos nesta fase, ainda sem qualquer relevância.

Durante todo este período, desde o dia fatídico da morte de Julia Lennon, as actuações dos The Quarrymen são muito espaçadas e acabam em fiascos autênticos. Porém, só no dia 29 de Agosto de 1959, os The Quarry Men fazem a sua reaparição em público num novo café que, com a notoriedade que a casa atingiria logo na primeira noite do show, o grupo é convidado para fazer as actuações dos sábados à noite. The Quarrymen procuram então um outro nome, abandonando oficialmente o antigo em Outubro de 1959. O grupo, agora apenas composto por três elementos – John Lennon, Paul McCartney e George Harrison - intitulara-se-ia de Johnny and the Moondogs, cujo nome durou até Janeiro de 1960, quando Stu Sutcliffe rebaptizou o grupo, entrando como baixista, dando-lhe o nome de Beatals. Este evoluiria mais tarde para The Beatles.

Os 4 beatlesA formação completa e mais duradoura do grupo liderado por John Lennon – embora a parceria de McCartney fosse sempre marcante – dar-se-ia a partir de 18 de Agosto de 1962, com Ringo Starr na bateria. Assim se manteriam até 10 de Abril de 1970. Sucessos como All You Need is Love, Love Me Do, Yesterday, Hey Jude, Yellow Submarine e Let it Be são muitas das grandes músicas que marcam a história da pop britânica e que consagraram definitivamente os Beatles para o palco da fama. Mas grande parte das composições, como diria Lennon mais tarde, eram influências de McCartney.



John conhece Yoko Ono em 1966 e, embora ainda estivesse casado com Cynthia Powell desde 1962 e de quem tivera um filho – Julian -, restariam ainda três anos para que ele se divorciasse e se unisse definitivamente à jovem artista oriental. No entretanto, John e Yoko passavam cada vez mais tempo juntos, querendo aproveitar todos os momentos para partilharem tudo. E, por ela, John Lennon começava a quebrar algumas regras dos Beatles, tal como levá-la para os ensaios.

Os discos tinham lucro. Os Beatles continuavam a ser o grupo britânico mais famoso do mundo, chegando a disputar com Elvis Presley. Mas, tal como diria Lennon mais tarde, numa entrevista que o casal deu à Playboy, Yoko mostrou-lhe “a possibilidade da alternativa”. Ele não tinha de fazer sempre as coisas que a banda ou a própria produção lhe exigiam. Poderia sempre negociar. Porém, os The Beatles alcançaram uma fama tal que só porque os fãs achavam que eles deviam lançar mais um novo disco, eles eram obrigados a fazê-lo! John Lennon começava também a revoltar-se contra a ideia de ter que obedecer a prazos pré-estabelecidos e a normas que para ele começavam a ser questionadas.

Lennon começou a virar os seus interesses mais para a sua componente artística e para a sua família. Casou com Yoko em 1969, o ano de todas as conquistas. “Isso representava o fim dos rapazes”, como o próprio Lennon diria na já referida entrevista. Com Yoko, participaria activamente em lutas pacifistas e os The Beatles estavam a ser conotados com um grupo que tocava para uma plateia de esquerda.

John chega à conclusão que, enquanto vive em função da banda, na realidade, está aprisionado por ela. E começa, então, a resguardar-se na sua intimidade. Contudo, ele e Yoko editaram alguns discos juntos e ainda chegaram a exibirem-se nus em defesa do pacifismo e pela preservação da natureza. Foram publicamente condenados por estas exibições e repudiados pela moral pública da sociedade. Mas, como diriam anos mais tarde, perante a guerra, só haveria um modo eficaz de a combater: era o Amor. E esse Amor exprimia-se de forma universal. Ora, o único modo de o exprimir universalmente era mostrar a forma natural como vinham ao mundo: através da nudez.

Depois de um longo afastamento da vida pública, John e Yoko reabrem, uma vez mais, as portas à comunicação social. Desta feita, com uma entrevista em exclusivo para a revista Playboy. Aí deixam claro que adoptaram um estilo de vida mais saudável do que tinham antes, pois já não têm idade para se alimentarem com comidas gordurentas, como a chamada junk food. Optam por um regime do tipo macrobiótico, tendo em conta a selecção criteriosa de alimentos. Aparentemente, mostram-se um casal saudável e preocupado com as questões de saúde, nomeadamente o tipo de alimentação que fazem, mas sem esquecerem as causas mundiais. O dinheiro encaram-no como algo necessário, mas gerador de muitos interesses desmedidos e prejudiciais, principalmente ao bem-estar de um artista.

Ao falar de Lennon torna-se inevitável falar do seu percurso musical nos Beatles. Mas terá sido com Yoko Ono que John Lennon deixaria a sua marca universal: com efeito, atingiria a máxima consagração nas suas composições a solo, nas quais, sem dúvida, Imagine (1971), que se tornaria mesmo um hino ao pacifismo e ainda hoje lidera no top das músicas ouvidas na rádio.

John Lennon cantando
John Lennon terá provavelmente composto a canção da sua vida, que era lutar pela utopia ou o suprir a falta de quase ter perdido o maior valor na vida, ou seja, o Amor. Primeiro, o do pai, depois o da mãe (com a morte abrupta dela), depois o afastamento de amigos e, por último, o dilema da escolha entre lucro, junto de amigos, e amor, junto da pessoa que lhe terá dado a maior das lições humanitárias. John escolheu. Afirmara-se nesta escolha como o mais fiel activista pela Paz e Amor Universais.



Lennon morreria a 8 de Dezembro de 1980, assassinado à queima-roupa com cinco tiros de pistola, a menos de dois metros de distância. Morreria instantes depois, a caminho do hospital. O guarda que o acompanhou na amulância, não crendo no estado de Lennon, perguntou-lhe: “Você sabe que é o John Lennon?”, pergunta à qual John afirmara positivamente, sendo o seu último gesto. Quando chegou ao hospital, tinha já perdido 80% do sangue. Quando Yoko Ono vê sair o director de serviços de emergência do hospital, o médico dá as más notícias: John Winston Ono Lennon estava morto! Era claro: morreria o pacifista alguma vez mais famoso à face da Terra.


Citações:

«Nós adoptamos um regime do tipo macrobiótico, mas de vez em quando levo a família para comer fora uma pizza.», John Lennon, In: Playboy

«Toda a gente tem necessidades diferentes. Nós experimentámos o regime vegetariano e macrobiótico, mas agora, porque estamos no studio, comemos alguma “comida de plástico”. Tentamos, contudo, manter-nos fiéis à alimentação macrobiótica: peixe e arroz e cereais. Equilibramos os alimentos que ingerimos e ingerimos as comidas da zona de forma equilibrada.», Yoko Ono, In: Playboy

«Pense globalmente e actue localmente.», John Lennon

«Eu pensava de verdade que todos nós seríamos salvos pelo amor.», John Lennon

Referências:

Fotos gentilmente cedidas por:

João Lennon In:
http://www.whitesite.hpg.ig.com.br/sjohn.html
http://www.whitesite.hpg.ig.com.br/02fjohn.html
http://earlybeatles.cjb.net/
http://www.whitesite.hpg.ig.com.br/imagineutopia.html
http://www.whitesite.hpg.ig.com.br/01fbeatles.html
http://www.whitesite.hpg.ig.com.br/paznacabeca.html

Fontes biográficas:

Referências sobre o movimento skiffle:
http://www.whiplash.net/forceframe.html?/bandaslist.mv?cod=lonniedonegan

Outras fontes
http://members.tripod.com/wbeatles/john.htm
http://members.tripod.com/wbeatles/historia.htm


Copyright Centro Vegetariano. Reprodução permitida desde que indicando o endereço: http://www.centrovegetariano.org/Article-267-Tributo-a-John-Lennon.html

Inserido em: 2004.01.17 Última actualização: 1999.11.29

Comentar printer     E-mail   Facebook F

Pessoas > Biografias de famosos
Pessoas > Artigos por Autor > Ana Oliveira



Comentários



"Paz"

Não adianta nada falar de paz e amor (sem Cristo) depois de ter influenciado milhões de jovens a serem viciados em drogas, rebeldes e desrespeitosos aos pais e as autoridades. Antes da desgraça dos Beatles e dos Rolling Stones havia ao menos um conceito de família e respeito. Estes 9 arautos da NOVA ERA estragaram a humanidade. Músicos medíocres de estúdio com suas letras compostas sob o efeito de drogas como cocaína e heroína. O pior de tudo é que existem pessoas que chamam os Cristãos de fanáticos, mas na verdade os fanáticos são eles mesmos que adoram um bando de roqueiros débeis mentais que não respeitavam nem a si próprios se autodestruindo.
Dê uma olhada e vejam se esses ingleses tinham competência pra
fazer o estrago que fizeram ou se havia algo por trás os usando como marionetes ridículas. A cada dia fica mais claro que a maior estratégia de Satanás é fazer com que as pessoas não acreditem na sua existência.
Jesus sempre ensinou que deveríamos honrar os nossos pais, as
Autoridades (independente de serem merecedores ou não). Ensinou que deveríamos respeitar nossos cônjuges e entendermos a importância de uma família bem estruturada nos bons costumes e na santidade. Ele sim é que merece adoração pelo seu amor e a sua bondade. Se fizermos o que Jesus nos ensina poderemos provar a verdadeira paz. Isto é algo que podemos fazer individualmente nos nossos lares ou com nossos amigos e familiares, não precisamos nos justificar com os erros das religiões e nem nos encantarmos com ídolos ou falsos deuses.

Jesus nos pergunta:
Mc 8:36 Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?

(Por: Marco)

[Por: @ 2009.04.29 - 23:38 | Responder | Imprimir ]


bio J. Lennon

gostei bastante, está bem escrita e concisa.
pedro

[Por: @ 2005.10.10 - 24:00 | Responder | Imprimir ]